..Bem vindo ao mundo invertido, surreal, abstrato e desconexo que surge a partir desta realidade imaterial.. cada vez mais invertido, surreal, dadaista,expressionista, abstrato, desconexo e subversivo, com muito orgulho disto..

20 maio, 2010

Cronicas de LuneReal : A menina e o homen de terno ( part 1)


Imagem Tim Burton

Lá estava ela, a pequena Sophia Willmore, olhando novamente a cidade em sua faceta noturna, seus cabelos negros como a escuridão do céu que estava sobe sua cabeça, as estrelas estavam desaparecendo por sob as nuvens que imperceptíveis na imensidão celeste, ela vestia uma saia curta que deixava seus joelhos amostra e um blazer ambos em tons de negro contrastando com a blusa branca que fugia das mangas do blazer de maneira sutil, sua pele branca e perolada fazia o contraste com o negro ainda mais evidente, chamativo.
Era um prédio bem alto, ela não sabia quantos andares ao certo, apenas estava ali contemplando toda a cidade que parecia tão sombria e decadente vista ali de cima, o que não diferia muito de vista de baixo, a cidade tinha seu ar tenebroso, era como se as montanhas estivessem todas juntas e divididas por pequenos rios onde passavam os plebeus e dentro destas montanhas estavam os demônios que mandavam em seus reinos particulares, ela ainda não entendia o porquê de tudo aquilo, era jovem como o mordomo da família sempre gostava de salientar nas conversas particulares.

Seu cabelo voava com o vento, seu corte Chanel a fazia parecer mais menina do que realmente era, já tinha 14 anos, não gostava muito de chamar atenção por isso escolheu pintar os cabelos de preto, achava que ser filha de um dos homens mais ricos da cidade já era chamativo o bastante, o pior era que agora ele queria ser prefeito, ela imaginava seu pai como um daqueles demônios sorrindo em cima de sua montanha privativa, ela ficava pensando que corte de cabelo iria fazer depois que seu pai virasse o rei dos demônios cruéis.
A festa estava acontecendo logo atrás da menina que mergulhava em seus pensamentos, apenas mais uma festa da alta sociedade, pessoas frívolas com desejos depravados, mas tudo isso escondido por um sorriso bem treinado e mentiras suaves, todos os ditos demônios estavam ali, políticos, pessoas da mídia, empresários e quem sabe até os famosos mafiosos que ela tanto ouvia falar, mas ela não ligava, havia crescido neste meio, talvez por isso tinha aquele ar distante, preferia se juntar aos seus pensamentos e sonhos á ficar treinando falsos sorrisos e rindo de piadinhas sujas de salão.
Aquela noite era apenas mais uma que das quais deverias sobreviver entre aquela legião de negro, todos em seus ternos obscurecendo o Salão enfeitado de dourado, as outras crianças da festa eram apenas cópias sarcásticas e cruéis de seus pais, algo que a incomodava bastante, nunca podia falar sobre o mundo que existe alem das janelas altas dos castelos em forma de montanhas, de como as crianças pobres pareciam ser mais felizes, elas sim eram apenas crianças, com certeza deviam gostar de historias sobre cavaleiros, dragões, fantasmas e quem sabe ela poderia lhes falar sobre a sua visão dos demônios que habitavam a cidade, a menina gostava de se imaginar contando uma de suas historias de terror para outras crianças e sorrir enquanto eles se assustavam, mas ninguém se aproximava dela e ela também não achava motivo para se aproximar dos aprendizes de demônios.
O vento soprava enquanto ela era embalada pelas duvidas e pensamentos, a musica melodiosa da festa dava um ar deprimente para a cena, a menina ali sozinha na sacada de um prédio gigantesco, de preto, cabelos ao vento, mas ela sabia que não estava totalmente sozinha, sempre que ela precisava aparecia Lygia, uma amiga imaginaria de Sophia.
Lygia sempre vestindo suas roupas coloridas em tons chamativos, era uma menina da mesma idade de Sophia, tinha cabelos loiros e olhos verdes, adorava falar alto, brincar e correr, sempre desafiando Sophia em competições bobas, quem corre mais longe, quem fala mais rápido, que desenha melhor, essa ultima Sophia sempre ganhava Lygia sempre respondia que gostava mais de arte abstrata, enfim uma boa amiga para distrair Sophia de seu mundinho obscuro.
Sophia estava sentindo o vento fazer carias em sua pela quando sentiu alguém tocar em seu ombro, era Lygia, ela esta como de costume com seu sorriso no rosto e suas roupas coloridas, mas hoje estava usando um vestido, parecia um vestido de boneca, cheio de babados e com uma saia divida em camadas, um sorriso leve surgiu nos lábios da menina antes sozinha, Lygia convidou a menina para dançar, a musica havia mudado agora ela algo mais melancólico e lento, alguma musica antiga, Sophia se contraiu um pouco mas logo cedeu e as duas dançavam juntas na sacada do prédio.
Alguns momentos após o início da dança, Sophia sentiu um arrepio e parou de dançar, Lygia estranhou e fez uma cara emburrada, quando Sophia olhou na direção do salão percebeu alguns homens olhavam a menina dançar, eles tinham uma aparência pálida e como todos ali na festa, vestiam um terno preto, ela tinha consciência de que Lygia não podia ser vista, rapidamente ajeitou a saia e o blazer preto, bateu os pés e começou a andar como se nada tivesse acontecido, Lygia pulava e gritava para os homens pálidos sem ganham nenhuma atenção, Sophie, sophie, Lygia chamava enquanto a menina desviava-se dos convidados enquanto seguia para o seu quarto.
Chegando no quarto, abriu a porta, entrou rápido e se pôs a soluçar de nervosismo, parecia que haviam descoberto algum segredo dela, ela se sentia invadida, como se tivessem aberto seu diário, se ela tivesse algum.
Sentou-se na cama, ficou parada, a musica estava fraca, mas ainda adentrava o quarto, o tom triste e obscuro da musica cada vez mais invadia a mente de Sophia, ela fechou os olhos e de deitou na cama, tentando lembra quem eram aqueles que tinham interrompido a sua dança, não conseguiu.
Foi quando viu a figura, um homem, ao menos parecia ser um homem, estava no canto do quarto onde a sombra do quarda roupas se encontra com a sombra da estante, ela sentiu uma forte vontade de gritar, mas ficou paralisada, algo nele intrigava a menina, ele segurou seus impulsos como muito já sabia fazer, e perguntou quem era o homem com a voz um pouco vacilante.
O homem deu um passo à frente, sua voz era firme, como uma voz daqueles locutores de programas de rádio que ela tanto gostava, ele falou que era o pai de Lygia, Sophia não tinha percebido que a menina loira estava segurando a mão do homem.
A mente da menina parecia pulsar no momento que a figura obscura proferiu tais palavras, mas como ele era o pai de sua amiga imaginária?
A questão penetrou bem fundo por entre a razão de Sophia, seu peito apertou, ela rastejou um pouco até chegar a cabeceira da cama e ficou ali observando as duas figuras, a menina que antes ela julgava conhecer como ninguém e o homem que lhe jogava aquele olhar frio.
Ele continuou a falar, sei que é meio difícil explicar, mas se me deixar lhe mostrar algo vai ficar tudo mais claro para a senhorita, disse ele tentando suavizar os traços do rosto, a outra menina de olhos azuis, estava com um sorriso tão suave quanto seus cabelos dourados.
___________________
Continua...

23 comentários:

Diario de Paamela disse...

O.O cADEEEEEEEEEEEEE A CONTINUAÇÃOOOOOOOOO? KKKKK :'( SNIFF!

Fabiano disse...

uma história bem escrita... acho que as cronicas que escreve poderiam se transformar num ótimo livro.

parabéns.

http://blog-do-faibis.blogspot.com/

Thamyzinha Iwasaki disse...

gostei historia perfeita, vc escreve muito bem.
não li tudo ainda mais copie pra terminar de ler depois,ate onde li adorei, tó esperando a continuação ta^_^
ate o proximo post

xau

Tascio disse...

as cronicas que vc escreve são boas e puxam toda a atenção! vc deveria escrever um livro, ou estar em um jornal! parabéns!

leandro / lucas disse...

http://diariodealunos.blogspot.com/

bom blog

Fernanda Elisa disse...

Bom texto!
Denso, mas intrigante.

Elaine disse...

Amei o desing do blog..
a imagem logo no ínici da postagem do Tim Burton me conquistou!

vc escreve mt bem... qro a continuaçao! hahaha

Abraço!

NeRsO disse...

O que interessante.. eu gosto disso..


Venha sorrir
http://rabiscandohumor.blogspot.com/

the_k disse...

Então, também escrevo contos e aqui vai uma dica:
Na internet temos que mantê-los menores e mais chamativos.
Por que do contrário só que gosta de contos irá ler. E eu acho que bom mesmo é quando voc~e conquista pessoas que antes não se interessavam pelo assunto ;)

Mas eu gostei, só acho que tem que tomar mais cuidado com a estética do texto!
Mas tá ótimo!

Se quiser estou escrevendo o meu, O Garoto que andava sobre Tigres: http://apostrofo-s.blogspot.com/

Amatuzzi disse...

Gostei dessa Lygia... =)
Ah, mas cadê o resto?
Continuaçao!!!Continuaçao!!!

Sandinha disse...

OXE, OXE, OXE, POSTA O RESTO!
Numa boa... odeio essas coisas de continuação, tem ideia o quanto sou curiosa?

aaaaaaaaaaahh *-*

brincadeira, quando postar a continuação passa no meu blog e avisa!

Abraços.

Thiago Batticelli disse...

A idéia do texto tá bacana, porém sugiro que a menina mostre uma personalidade mais forte, mas não menos melancólica; Outra coisa é, essa situação do prende e solta, chamariz para fazer o leitor voltar para ler a segunda parte, poderia ter sido melhor, deveria ter explorado mais e deixar para terminar com um ápice, porque aí todo mundo já sabe que a filha dele morreu, etc... aí o resto todo mundo já conhece.. Tente diferenciar a história, não caia na mesmice dos outros escritores, você tem potencial.. Ah, cuidado com os erros de português..

Enrique Meira disse...

legal o blog,
ainda to lendo o texto

- Amanda Alves . disse...

adorei a historia,voçe escreve muito bem ,parabens *-*
continua a historiaaaaa *-*
aah e as vezes é melhor sentirmos do que escrever.Talves ninguem tenha escrito mas e sentindo ? a vida é cheia de misterios :)
bjo :*

Francorebel disse...

Post bem elaborado. Acho o seu Blog dirigido a públicos
específicos... abraço!

Gustavo Hermes Soares disse...

Muito interessante. Você tem personalidade, amigo. Gosto muito disso. Sem falar que eu sou simpático a algumas das tuas idéias/ideais.

Texto legal. Bem descritivo, criativo... um pouquinho longo... mas dá vontade de ler o próximo capítulo.

Sucesso!
Abraço

florestadeconcreto disse...

aaaahhh =)
.
eu tinha entendido o q se passava, mas tipo, não de onde tinha vindo a historia de cima^^
xD
agora q vi, parte 1 e parte 2 kkkkkkkkkk
xD
bem, então tenho q lhe elogiar mais uma vez fã de Tim Burton =)
.
abraços

O Judeu Ateu disse...

Parabéns, você escreve muito bem, realmente dava pra fazer um livro.

Tomaz C Frausino disse...

interessante...

diii disse...

legal legal *__*

vou acompanhar =D

Tititiecia. disse...

Li todas as partes e irei continuar lendo! Além de eu amar contos, voc
ê escreeve bem demaaais! Já pensou em fazer um livro, haha?

Parabéns e sucesso no blog,
Beijos, das meninas TT
http://revistatudoteen.blogspot.com

Mr.Almost disse...

Caraca é grande

mas é legal

Kaerveck, o terravus. disse...

Bacana! gostei!
no proximo post vou fazer referencia a esta historia