..Bem vindo ao mundo invertido, surreal, abstrato e desconexo que surge a partir desta realidade imaterial.. cada vez mais invertido, surreal, dadaista,expressionista, abstrato, desconexo e subversivo, com muito orgulho disto..

13 maio, 2010

O ritual do corpo entre os Sonacirema ( parte 1 )



um artigo muito bom abordando o tema do ser humano contemporaneo, espero que gostem.

_____________

O ritual do corpo entre os Sonacirema
1
O antropólogo tornou-se tão familiarizado com a diversidade de modos com que diferentes povos reagem diante de situações similares que ele não consegue se surpreender com os costumes mais exóticos possíveis.
Com efeito, se quaisquer entre todas as combinações logicamente possíveis de comportamento não tiverem sido encontradas em alguma parte do mundo, ele tem o direito de suspeitar que elas devem estar presentes em alguma tribo ainda não estudada ou conhecida.
As crenças e práticas mágicas dos Sonacirema apresentam aspectos tão pouco usuais, que nos parece importante descreve-las como exemplo dos extremos a que o comportamento humano pode chegar.
A descrição que segue é resultante de anos de vivência entre esse povo exótico.
O professor Linton foi o primeiro a chamar atenção para o complexo ritual dos Sonacirema, há 20 anos atrás, mas a cultura deste povo é ainda muito pouco compreendida.
Os Sonacirema são um grupo Norte americano que vive no território que se estende desde os Cree no Canadá aos Yaqui e Tarahuna do México e ao Caribe nas Antilhas.
Pouco se sabe sobre sua origem, embora a tradição mítica afirme que eles vieram do Leste...A cultura Sonacirema se caracteriza por uma economia de mercado altamente desenvolvida que se beneficiou de um habitat muito rico.
Embora a maior parte do tempo das pessoas, nessa sociedade, seja devotado à ocupação econômica, uma grande porção do fruto destes trabalhos e uma considerável parte do dia são despendidas em atividades rituais.
O foco destas atividades é o corpo humano, cuja aparência e saúde constituem a preocupação dominante dentro do modo de viver e se comportar desse povo.
Ainda que tal tipo de preocupação não seja raro entre diversas culturas, na sociedade Sonacirema seus aspectos cerimoniais e a filosofia aí implícita são únicos.
A crença fundamental subjacente a todo sistema parece ser a de que o corpo humano é feio e que sua tendência natural é a debilidade e a doença.
Encarcerado em tal corpo, a única esperança do indivíduo é evitar essas características através do uso de poderosas influências do ritual e da cerimônia mágica.
Todo o grupo doméstico possui um ou mais santuários dedicados a tal propósito.
Os indivíduos mais poderosos dessa sociedade têm vários santuários do corpo em suas moradias, com suas paredes cobertas de pedras, e, de fato, a opulência de uma casa é frequentemente aferida em termos de quantidade dos centros rituais que abriga.
Mesmo que cada família possua ao menos um desses santuários, os rituais a eles associados não são coletivos, realizados pela família, mas cerimônias privadas e individuais.
Os ritos normalmente são discutidos somente com as crianças; e isto apenas durante a fase em que elas estão sendo iniciadas nestes mistérios.
O ponto focal do santuário é uma caixa ou arca embutida na parede.
Nesta arca são guardados os inúmeros feitiços e poções mágicas, sem os quais nenhum nativo acredita que poderia viver.
Tais feitiços e poções são obtidos de vários iniciados, de acordo com a especialidade.
Dentre eles, os mais poderosos são os Curandeiros, cujos serviços devem ser retribuídos por meio de presentes substanciais.
No entanto, o Curandeiro não fornece as poções desejadas por seus assistidos, decidindo apenas os ingredientes que nelas devem entrar e, em seguida, escrevendo em uma língua estranha e secreta. Tal escrita apenas pode ser decifrada pelo Curandeiro e pelos Herbanários, os quais fornecem o feitiço desejado.
O feitiço não é descartado logo após seu uso, porém é colocado na caixa de mágicas do santuário doméstico.
Como esses materiais mágicos são específicos para certas funções – e considerando que as doenças reais ou imaginárias desse povo são muitas – a caixa de mágica costuma estar sempre transbordando.
Os pacotes mágicos são tão numerosos que as pessoas esquecem sua serventia original e temem usá-los novamente. Embora os nativos tenham se mostrado vagos em relação a esta questão, só podemos concluir que a idéia subjacente ao costume de se guardar, mesmo não tendo mais nenhuma utilidade, todos os materiais mágicos e seus vasilhames nas caixas dos santuários diante das quais são encenados os rituais do corpo, é que os materiais continuam agindo magicamente e protegendo o fiel.
Embaixo da caixa de mágicas existe uma pequena fonte; todo dia cada membro da família entra no quarto do santuário, curva a cabeça diante da caixa de mágicas, mistura diferentes tipos de águas sagradas na fonte e realiza um breve rito de ablução.
As águas sagradas são obtidas do Templo da Água da tribo aonde os Sacerdotes conduzem elaborados cerimoniais para manter o líquido ritualmente puro.
Há hierarquia entre os Sacerdotes da Magia.
Abaixo do Curandeiro, em termos de prestígio, existe um outro tipo de Curandeiro cuja designação é mais bem traduzida pela expressão “Homens-da-Boca-Sagrada”.
Os Sonacirema tem um horror pela boca e, ao mesmo tempo, uma fascinação por ela que chega a ser patológica.
Acredita-se que a condição da boca tem influência sobrenatural sobre as relações sociais.
Não fosse pelos rituais da boca, os Sonacirema realmente acreditam que os dentes cairiam, suas gengivas sangrariam, suas mandíbulas encolheriam, seus amigos os abandonariam e seus/suas amantes as/os rejeitariam.O ritual do corpo quotidianamente realizado por todos inclui um ritual bucal.
Apesar de sabermos que esse povo é tão meticuloso no que diz respeito ao cuidado com a boca, este rito envolve uma prática que o estrangeiro não acostumado não consegue deixar de achar repugnante.
Conforme me foi descrito, o rito consiste na inserção de uma pequeno feixe de cordas de porco na boca, juntamente com certos pós mágicos numa mistura cremosa e, em seguida, na movimentação deste feixe segundo uma série de gestos altamente formalizados e ritualizados. Além desse ritual, os Sonacirema procuram os “Homens-da-Boca-Sagrada” uma ou duas vezes por ano, dependendo da crença familiar.
Esses curandeiros possuem uma impressionante parafernália que consiste em uma variedade de perfuratrizes, furadores, sondas, agulhas e pastas.
O uso desses materiais rituais no exorcismo dos perigos da boca implica uma quase inacreditável tortura do indivíduo.
O “Homens-da-Boca-Sagrada” alarga qualquer buraco que o uso tenha naturalmente feito nos dentes e deposita pós mágicos nas cavidades. Se não são encontrados buracos entre os dentes, grandes seções de um ou mais deles são serrados para a realização do rito.
Na imaginação desse povo, o objetivo dessas aplicações é deter o apodrecimento dos dentes e atrair amigos. O caráter de crença sagrada




deste ritual fica evidente no fato de que os Sonacirema voltam todo ano a esse tipo de Curandeiro, embora seus dentes continuem a se deteriorar naturalmente.
Para não nos estendermos na descrição de todos os rituais do corpo, terminaremos com mais três muito interessantes. Primeiro, vamos considerar o ritual de laceração que os Sonacirema realizam quase cotidianamente.
Esse ritual é distinto, conforme se o indivíduo que o realiza é homem ou mulher.
No primeiro caso, o rito envolve uma arranhadura da superfície da face por meio de um instrumento cortante que irrita a pele do praticante e, não raro, o corta.
No segundo caso, o rito feminino é ainda mais agressivo: as mulheres costumam raspar-se em várias partes do corpo acreditando que tal feito melhore suas relações sociais.
Essa descrição não é completa, pois no caso das mulheres existem muito mais rituais bárbaros – como assar suas próprias cabeças num pequeno forno durante mais ou menos uma hora.
Os curandeiros possuem um Templo imponente, o Latipsoh.
As cerimônias mais elaboradas, necessárias para o tratamento dos indivíduos mais doentes podem ser realizadas apenas nesses lugares sagrados.
Tais cerimônias são tão violentas que chega a ser fenomenal o fato de que uma razoável proporção dos nativos realmente doentes que entram no Latipsoh consiga curar-se.
Crianças pequenas, cuja doutrinação é ainda incompleta, costumam resistir às tentativas de levá-las ao Templo alegando que “é aonde você vai para morrer”. Apesar disto, os doentes adultos não apenas desejam, mas ficam ansiosos para submeter-se a prolongada purificação ritual.
Se eles não possuem meios para tanto, os Guardiões do Templo, não importa quão suplicante o doente ou quão grave a emergência, não permitem sua entrada sem que seja dado um rico presente ao Zelador do Templo.O suplicante é despido de todas as suas roupas ao entrar no Latipsoh. Ao contrário da vida cotidiana – em que o indivíduo Sonacirema nunca tem suas excreções realizadas em público –, no Templo ocorre uma perda súbita da privacidade, como se com isso o indivíduo renascesse.
Ali o doente se vê auxiliado por uma Vestal durante todos os momentos, até mesmo no ato excretório, em que suas funções naturais devem ser realizadas num vaso sagrado. Além de terem seus corpos nus submetidos ao escrutínio, manipulação e espetadelas dos diversos Curandeiros.
Por fim, ainda resta um tipo de Curandeiro muito procurado e mais um tipo de ritual para ser descrito. Trata-se do Escutador.
Este feiticeiro tem o poder de exorcizar os demônios que se alojam nas cabeças das pessoas que foram enfeitiçadas. Os Sonacirema acreditam que o contato e relacionamento entre os indivíduos podem ser origem de muitos feitiços perigosos.
O Escutador possui uma contra-magia que singular por seu caráter simples de quase nenhum ritual. O doente simplesmente conta a esse Curandeiro todos os seus medos, problemas e dificuldades.
A memória exibida pelos Sonacirema durante esses ritos é realmente notável, não sendo incomum que o paciente lamente a rejeição que sentiu no útero materno ou logo quando foi desmamado; alguns chegam mesmo a localizar seus problemas nos efeitos traumáticos de seu próprio nascimento.

___________________

continua....

Nenhum comentário: