..Bem vindo ao mundo invertido, surreal, abstrato e desconexo que surge a partir desta realidade imaterial.. cada vez mais invertido, surreal, dadaista,expressionista, abstrato, desconexo e subversivo, com muito orgulho disto..

29 junho, 2013

Diarios de um perdido #47

(28/06/13)

  Mesmo após tantas intervenções dentro do meio em que me abrigo hoje houve um suspiro que não foi ouvido, não foi mencionado e muito menos acariciado. a doença do egoismo me trouxe até aqui, nesta encruzilhada de sons fechados e olhos escuros. agora posso olhar para o caminho e fingir que não escolhi esse desastre, me esconder onde sei que vão me achar só para o amarelado do sorriso fazer alguem sentir qualquer coisa por este vazio corrosivo que tem o mesmo do meu reflexo no espelho. 

É de dar hilariantes lagrimas ao chão, esse sentimento que me mata aos poucos é  culpado, eu sei que é, pois destrói cada vida corretamente castrada de forma pré matura e inconsequente. As gargalhadas levadas pelo vento são sementes de memorias com asas e olhos, elas irão voltar e trazer a vergonha esquecida.
as gotas que brotaram dos olhos faram crescer esperanças faltas em quem eu amo, vergonha.

 sou uma sombra simples mente mais uma sombra criada pela luz do cotidiano abandonado pela infância da crença em mudanças. complexo em caminhos doentes, em ruínas, sem luz, som ou pudor. me vejo nos olhos de um espelho que sussurra fracasso, morte e desgosto, mais vergonha.

o nexo que deveria traçar caminhos esta perdido em meus labirintos, pois de olhos fechados eu caio. sim, é uma idéia recorrente em mim, quem sabe um dia eu alcance esse desprazer. Mas por enquanto, sinto pena das nuvens que formam todas as imagens de um futuro de palavras cinza, distorções sem sabor e tristezas sem chão.

uma lamina e tudo estaria no fim, seriamos um dentro do sonho infinito da eternidade. unidos e separados por momentos belos que eu construí ao seu lado.

é triste querer ver palavras que nunca tomaram forma se tornarem nada dentro de mim, mas foi tudo pensado, escrito e postado, eu prefiro assim. me agrada ficar só e chorar por ilusões sem sentido, ter pena de mim e me lembrar de tudo que eu era antes de você. esse tanto que hoje vejo ser tão pouco. acho que morrer teria sido uma festa maior e já esta sendo, morri para você tantas vezes que hoje sou um pedinte.
continuarei assim, eu sei. 

Nenhum comentário: