..Bem vindo ao mundo invertido, surreal, abstrato e desconexo que surge a partir desta realidade imaterial.. cada vez mais invertido, surreal, dadaista,expressionista, abstrato, desconexo e subversivo, com muito orgulho disto..

14 junho, 2014

Diario de um perdido #59


 Navegando com meus olhos sorridentes, sem medo, sem leme, sem ancora, sem praias e sem vento.
  sou um ponto fixo na imensidão de fluidez, cercado por mares que me vão levando as lembranças e sentimentos, as águas tempestivas tem o frio de um abraço sem amor rumo a um horizonte que surge na tensão entre a solidão e o acalanto.

  Como duas bocas a se encontrar a noite caia sobre meu barco de esperança, sugando com sua ardência implacável as lagrimas que eu derramei ao me recordar do agora que já foi somente nosso. desbotei sonhos infantis que compartilhamos e chamamos de Alice, o calor de nosso futuro passado, mas as marés nunca consumirão essa extensão de nosso amor. A noite continuou a observar o meu navegar, dançando sobre mim entre o frio e calor dentro de um imaginário alimentado por emoções minhas de tudo o que já vivemos.   Chorei novamente e acordei em um lugar desconhecido, logo após me lembrei que havia me refugiado não conhecia para evitar as lagrimas que insistiam em me encontrar. Foi assim que senti pela primeira vez o vento da mudança tocar minha pele fria, eles me acariciou e revelou que buscava calor, aspirava a vida que era tingida pelas minhas lagrimas, quentes e solitárias sobre o mar multicolorido de sentimentos.
  Ele não queria voltar para sua origem, mas também sabia que ali não era o seu lugar, algo mais existia e precisava ser encontrado. ficamos unidos pelo desejo de encontrar essa realidade sonhada pela própria mudança, continua, eterna e sem margens, que existe após o horizonte. Naquele momento eu poderia nadar eternamente em suas palavras e quem sabe poderia alcançar tal quimera, beijar o amor primal e reencontrar o suspiro da mulher que me colocou nessa jornada sem fim.
 è tão melancólico sentir o vento banhar meu corpo enquanto as ondas levam minhas esperanças para o além do véu. O calor que vinha do Sol dentro do meu peito se esvaia aos poucos, como se o mundo se curvasse perante algo tão suave e frágil como as próprias lagrimas, parecia estar alcançando o local da minha busca. A mudança como a brisa sorria e cantava sobre o mar sem molduras, as imagens que se formavam no céu com o eterno beijo entre o frio e quente, eram o seu rosto, com o seu ohar nos guiamos pelo oceano sem parar até o fim do horizonte. minha vida estava salva, sou feliz por ter permanecido nessa busca por um sorriso. obrigado por ter me colocado neste mar, ficarei sempre neste barco que criamos com nossas forças e navegaremos para o futuro que chamamos de Alice.

Minha Brisa é você, que me esquenta e cuida de mim nas noites frias, assim como o mar é tudo o que vivo por você. até as lagrimas que derramamos formam esse mar e o caminho para o horizonte.

-----
fiquei um bom tempo sem escrever, mas tive bons motivos para isso.
muitas coisas aconteceram, decepções e mudanças, mas hoje estou feliz e no fim deu tudo certo.
estou onde gostaria de estar, essa é a frase que resume a minha vida atualmente. 

Nenhum comentário: